CONTO ERÓTICO GAY - MILITARES

contos, gay, militares

Em maio de 2010 após 1 ano parado me recuperando de uma lesão o joelho, tive alta do meu médico, e como a lesão era permanente não tinha como retomar minha carreira de militar, foi então que assim que tive alta resolvi ir a Minas Gerais tentar um concurso.
Meu superior sabendo das dificuldades em que eu me encontrava, ligou no 22 ° batalhão de infantaria, e pediu hospedagem para que para que eu pudesse pernoitar e fazer minha prova, eu tinha amigos lá também...
Cheguei já no fim do dia, por ser ex militar fui muito bem recebido pelo cabo Juliano, que me mostrou o quarto que eu ficaria alojado e me mostrou as dependências, naquele dia o quartel estava vazio pois tinha um treinamento fora, so estava o cabo Juliano e outro reco para fazer a guarda do quartel.
Após o jantar o cabo Juliano muito educado me mostrou as dependências e em seguida fomos para a sala compartilhada de teve, la ficamos batendo papo, Juliano estava empolgadissimo com a noiva, me contava e re contava como ela era, e me mostrava fotos, e falava dos planos com ela...
Eu que sempre escondi minha condição sexual já estava encomodado, o cabo Juliano, um mulato de 1.90, 105kg de puro músculos, muito bonito, educadissimo e para completar meu tesão Juliano estava com aquele tradicional short verde super justo que todo militar usa de manhã para fazer exercícios ou a noite para dormir e uma camiseta branca cavada.
De início percebi que o cabo Juliano era dotado, pois não tinha como aquela mala daquele tamanho ter algo menor que 18cm.





Juliano contava sobre a noite e eu já estava apenas respondendo, "aham", "hum" pois tentava ao máximo disfarçar meu desejo, e ele todo largadão como todo hétero.

Fiquei mais incomodado quando ele flexionou a perna e meio que colocou em cima do sofá, ficou aquela abertura e prá variar o pau dele estava virado para meu lado, e com essa abertura a cueca afastou e dava pra ver um pedacinho da cabeça do pau do Juliano, e ele como todo hétero sem noção, nem percebeu nada.
-Eu já to chato né Marcelo, so falo da Michele? (Risos)
-Não que isso, ta de boa, to calado justamente prá te ouvir.
-Ta tudo bem, você parece encomodado com alguma coisa?
-Relaxa quando não der pra aguentar mais eu falo!
-Aguentar, como assim, não entendi...
Numa fração de segundo ou menos Juliano após dizer essa frase fixou o olhar nos meus olhos, e eu não sabia oque dizer, aquele monumento de homem na minha frente, para todo lado que se olhava tinha músculos, eu realmente não iria suportar.


-Que isso cara, você ta doido Marcelo?
-Juliano não suporto mais, to a horas olhando você, já espiei você tomando banho, e agora você com esse short e essa perna aberta com a cabeça do pau prá fora...

Eu tinha cometido minha maior loucura, estava com a mão no pau de um militar em exercício, ele poderia fazer qualquer coisa, comigo, eu já tinha me arrependido, mas não tinha mais oque fazer, naquele momento só me restava torcer para o reco de plantão não querer nada la dentro e nem o restante dos militares não chegassem da tal missão.
-Eita, nenhum cara jamais pegou no meu pau, nunca passou isso pela minha cabeça!
-Que tal passar essa cabeça aqui no meu cuzinho hoje, sem pensar duas vezes, que tal?

Juliano não tinha feito nada além de ficar me olhando com olhar de dúvida, então naquele momento eu já havia concluído que se viesse um não, em seguida ao menos ele não me delataria, e não me expulsaria dali.

Eu sabia também que por mais que ele nunca tivesse estado com outro homem que ele iria ficar comigo, certeza essa pelo estado que estava o pau dele, naquele momento ja estava enorme, quase todo para fora...
-Nossa, to salivando de desejo de mamar essa rola.
-Vamos lá prá despensa, se o reco der por falta jamais vai nos procurar la.

Eu estava cometendo a maior loucura da minha vida, pois sabia que os militares chegariam de um missão a qualquer momento, e o reco que estava de guarda poderia entrar a qualquer momento.
Chegando na despensa que era enorme, fomos para um sofá que servia de deposito de alimentos, estava cheio de caixas em cima com mantimentos, tiramos e colocamos no chão.
-Nunca fiz isso, já to quase dessitindo...
-Não, vem ca!
-Nossa, huuuummm...
Juliano estava de pé na minha frente, e eu com aquela rola nas mãos, que provavelmente media uns 22cm e era muito grossa.


Levantei os pau dele e comecei lamber aqueles testículos lisinhos e bem morenos, suponho que ele depilava pois apesar de ter pouco pelo no corpo ele não tinha nem um fio na virilha.
Em seguida fui subindo lambendo e dando beijos naquela piroca que mais parecia um mastro.

Quando comecei  a chupar, ele deu um gemido abafado e segurou na minha cabeça, eu por vez fazia questão de tentar colocar aquela piroca toda na boca, apesar de ser muito grande e eu nao conseguir, mas quando olhava para o rosto dele, vai aquele macho monumental de olhos fechados mordendo os lábios e arriscando um gemido tímido.
Depois de uns 10 minutos chupando ele, eu fui punhetando ele aos poucos e coma outra mão tirei o short dele e fui empurrando com a outra mão a camiseta e beijando aquele corpo, lambi e chupei cada um dos mamilos daquele peitoral musculosos e dividido, e ele parecia delirar com cada atitude minha...


-Não, não na boca não Marcelo.
-Deixa vai, ninguém vai saber!
-Não se você me quer como teu homem hoje é sem beijo.

Eu não aguentava mais de tanto tesão, tirei minha roupa e disse que queria ele demais, naquele momento eu só estava com medo da grossura no pau do cabo Juliano, mas o Jiliano foi em direção a uma prateleira e pegou um tubo de vaselina que eles usava para passar em machucados, como sabia que não iria ter nenhuma preliminar por parte do Juliano então que rolace logo a parte da penetração.
Juliano me pediu para que eu me sentasse no braço do sofá na lateral, ele passou muita vaselina no pau que estava latejando de tanto tesão, em seguida ele me levantou me deixando de cabeça prá baixo, fiquei com a bunda em cima do braço do sofá e eu com o restante do corpo na parte que se senta.

Juliano tentou por várias vezes me penetrar e não conseguiu, na quinta vez ele conseguiu, nossa como doeu, o pau dele era muito grosso...
Mas em poucos minutos tudo já estava gostoso demais, nossa como metia gostoso, ele parecia está com medo de chegar alguém mais também parecia delirar a cada metida, eu estava sentindo tanto tesão por estar alí correndo todos os riscos e ao mesmo tempo transando com um militar que mal consegui me mover, apenas conseguia segurar nos braços dele e gemer.
-Vem fica de quatro, fica!
Fiquei de quatro de joelhos naquele sofá, e o Juliano metia cada vez mais forte, ele me dava uns tapas na bunda e metia cada vez mais forte.

De repente escutamos um barulho na porta, nossa sorte é que a porta estava trancada e o sofá ficava no fundo da despensa, e com toda certeza não dava prá ouvir nossos gemidos...
-Vem, vamos gozar, a gente tem que sair logo daqui.
-Vem, vamos...

Juliano me abraçou por trás, imagino que a procura do carinho e prazer que o beijo proporciona, roçou o queijo no meu pescoço e me bombava com muita força, como eu comecei a gemer mais alto ele colocou a mão na minha boca e disse que eu mordesse, e assim fiz...
-Quando for gozar, tira e goza na minha boca...
-Você quer ne seu safadinho?
-Demais...


Uns dois minutos depois ele, tirou aquela rola enorme de dentro de mim e punhetando e mordendo os lábios esporrou porra em mim prá todo lado.
Principalmente no meu peitoral, eu morrendo de tesão só queria gozar, mas me contentei em saber que minha diversão pararia ali, pois ele não iria me chupar ou bater uma pra eu gozar...
Alguns minutos depois saímos dalí, fomos tomar banho, como no exercíto é chuveirão, ficamos distantes, afinal poderia chegar alguém...
-Finalmente encontrei vocês, procurei em vários lugares, até pensei em procurar aqui, mais lembrava de vocês ja ter tomado banho...
-Rsrsrs, não, não Victor!
Eu do meu chuveiro percebi que o reco Victor me deu umas olhadas, mais logo saiu e fiquei na minha.

Saímos e logo fui para meu alojamento e peguei no sono, dormir feliz claro, me lembraria pra toda vida daquele momento, eu sabia que não iria se repetir, mais foi maravilhoso....

...horas depois...
-Marcelo, Marcelo, Marcelo acorda.
-Oque foi Juliano?
-Levanta ai, o Victor quer te ver!

Segui o Juliano até a sala de Tv...
-Deixa eu te falar Marcelo, tipo o Victor sacou oque fizemos, mas fica tranquilo, ele não vai falar nasa pra ninguém, já conversamos.
-Eu to no maior tesão, aquela hora no chuveiro vi que sua bunda é perfeita!
-Então Marcelo, se você quiser eu vo buscar a vaselina e brincamos aqui so três.
Então Juliano foi buscar a vaselina, Victor um militar branco, corpo todo definido, muito gato...
Assim que Juliano saiu, ele já me encarou com uma cara muito safada, e já se levantou e veio em minha direção, o pau dele já não cabia mais dentro da cueca, ja estava com a cabeça prá fora do short, de repente ele se levantou e veio em minha direção, tirou o short e ficou batendo o pau na mão.
Já me levantou e tirou meu short também, meu pau já estava super duro...
-Nossa, delicia, assim vai.
Prá minha surpresa, Victor se ajoelhou na minha frente e começou a me chupar...
-Nossa vocês já estão se divertindo sem mim?


Juliano já chegou e tirou a roupa, e já veio me abraçando por trás e roçando aquele pau na minha bunda, eu sentia que Juliano queria me beijar mais não tinha coragem, ele roçava o rosto no meu de olhos fechados, eu percebia que ele queria...
Em seguida, o Victor foi subindo, me beijando, enquanto ele chupava meus mamilos, Juliano me abraçava por trás e roçava aquele pauzão entre as minhas pernas.
Eu já estava mole de tesão, mesmo que não tivesse sexo, só aquela pegação ja estava ótima.
Victor ficou de frente e começou a me beijar na boca, naquele momento eu estava adorando, pois tinha dois militares aos meus pés, acho que o Juliano estava meio perdido com os acontecimentos.



Juliano se sentou no sofá e ficou nos olhando e batendo punheta.
-Fica de joelho aqui...
Me ajoelhei no sofá do lado, Victor veio me deu um tapa na bunda, e começou a chupar meu cuzinho, que língua, eu estava até me arrepiando, ele línguava meu cuzinho, que eu ja estava quase gozando!
-Porra, nunca vi dois macho trepando assim na minha frente...
Algum tempo depois, Victor parou se sentou no sofá e eu comecei a chupar aquele pauzão.
Quanto mais eu chupava, mais Victor gemia!
-Vem ca vem seu safado, deixa eu fuder essa boca!
Victor segurou em minha cabeça e começou a bombar aquela piroca na minha boca.
Eu ali de quatro mamando aquela rola, e o Juliano no outro sofá se masturbando e nos observando, depois de um tempo, ele veio e melou aquele mastro e veio arrombar meu rabinho mais uma vez...
-Nossa, assim vem, acaba comigo seu gostoso.

Enquanto eu estava ali chupando a piroca do Victor, Juliano se acabava com meu cusinho.
Depois mudamos, de posição, eu me deitei no sofá, e o Juliano veio de frente e continuou me fudendo, a cada socada eu delirava com aquela piroca imensa, grossa, e que me dava prazer como nunca tinha sentido, acho que pela grossura, ou talvez por estar num lugar que a qualquer momento poderia entrar alguém, só sei que eu estava me sentindo em um sonho.
Após alguns minutos eu percebi que o Juliano não estava aguentando mais, e que logo iria gozar.
-Sai, que isso, ta doido?
-Oque que tem?
-Enquanto tu pega ele, eu te pego.
-Cara rola não, sai.
Victor, não conseguiu pegar o Juliano, mas tinha eu ali para aqueles dois machos se deliciar...
Foi então que Juliano parou de me fuder e veio pra eu chupar o pau dele, e disse para o Victor me fuder um pouco.
Fiquei de quatro sobre o sofá, enquanto o Victor me bombava aquela piroca maravilhosa, eu chupava o Juliano que já estava quase gozando, já estava de olhos fechados, e gemia ofegante.
-Ai, vai chupa com mais força, não aguento mais, vo gozar!
-Goza vai, goza na minha boca, quero sentir o gosto dessa sua porra...
E em seguida Juliano gozou, e dai sai e foi tomar banho.
Assim que ele saiu, Victor me pediu pra deitar no chão, e assim eu fiz, e ele me pegou na posição papai e mamae.

Victor era um macho muito safado, ele metia e olhava nos meus olhos, e fazia uma cara de safado.
-Nossa, não aguento mais, goza vai, quero ver você gozar ai eu gozo.
Eu não aguentava mais mesmo, não me punhetei nem dois minutos e gozei.
Em seguida Victor tirou o pau e se punhetou e so senti o banho de porra quente sobre meu corpo.
Depois de alguns segundos, ele se abaixou e me beijou.
-Vem safado, levanta, vamos pru chuveiro...
Tomamos banho, e fomos dormir, ja era quase 3 da madrugada.
As 6 quando acordei, o pessoal já estava voltando do tal treinamento deles, quando sai prá me despedir, Juliano estava muito serio, o reco Victor então nem se fala, apenas com aquele olhar de safado.
Fiz minha prova, e voltei para minha cidade, como não passei não voltei mais la, e também nunca mais tive contato, ficou apenas na lembrança o presente que recebi naquela cidade...

Compartilhe Agora!

Related Posts

1 comentários:

comentários
31 de maio de 2016 21:06 delete

Oh Minas, rsrsrs. Saudades

Reply
avatar

Deixe seu comentário, é um prazer para nós saber sua opinião!
OBS: Os comentários deixados no nosso site por leitores não reflete nossa opinião, portanto não somos responsáveis pelos mesmos.

Nos reservamos ao direito de eventuais erros em nossas postagens, deixe seu comentário e corrigiremos!

Comentários homofóbicos, racistas, agressivos ou intolerantes não serão aprovados.